- literatura alemã, dramaturgia internacional

O desconexo

Botho Strauss, embora já tenha sido publicado no Brasil, por muitas vezes permaneceu incógnito. Por ocasião de seu aniversário, que se comemora em 2 de dezembro, a Temporal pretende esmiuçar a personalidade do autor de "Trilogia do reencontro". O Blog traz, nesta quinzena, o depoimento de Heinz Strunk, organizador alemão responsável por coletar e reunir escritos de Strauss em uma antologia, para a qual escreveu o seguinte texto como posfácio. Neste, é possível identificar interessantes elementos do estilo de Strauss, mas há um alerta: “só é possível conhecer este escritor de fato através de um livro”.

- dramaturgia internacional, história do teatro

Da utopia ao desencanto, e vice-versa

Nossa convidada do mês de novembro é a professora e pesquisadora da UFMG Elen de Medeiros, que nos dá um panorama sobre o mais novo livro de ensaios do crítico Jean-Pierre Sarrazac, “Crítica do teatro I: da utopia ao desencanto”. A seguir, Elen expõe a atualidade dos textos reunidos na edição, que passeiam pela defesa de um fazer teatral crítico e do conceito de público no teatro, além de destacar a relevância e a proximidade com o contexto brasileiro

- dramaturgia internacional

Uma cena de “Mãe Coragem e seus filhos”, de Bertolt Brecht

Nesta quinzena, o Blog traz a seus leitores um trecho da peça “Mãe Coragem e seus filhos”, escrita em 1941 pelo poeta, dramaturgo e homem de teatro alemão Bertolt Brecht (1898-1956), com a colaboração de Margarete Seffin (1908-1941). Brecht é uma das personalidades mais comentadas por Jean-Pierre Sarrazac em “Crítica do teatro I: da utopia ao desencanto”, lançado agora pela Temporal

- dramaturgia brasileira, teatro

Entre a instabilidade e a melancolia: o retrato da militância no pós-1964 em “Moço em estado de sítio”

Inédita até 2021, a peça "Moço em estado de sítio", publicada pela Temporal, revela um passo muito importante para a compreensão da obra de Oduvaldo Vianna Filho, um dos principais dramaturgos brasileiros do século XX. A peça evidencia o testemunho de uma geração de artistas e intelectuais militantes que sonhavam com a transformação da sociedade por meio do fazer artístico, e que assistiu sem possibilidades de resistência a implantação violenta do golpe civil-militar de 1964

- dramaturgia brasileira, teatro

“Mão na luva”: a modernidade de um Vianinha até agora desconhecido

Em 1984, ocasião da montagem de “Mão na luva” dirigida por Aderbal Freire Filho – à época, apenas Aderbal Júnior –, Vivian Wyler rememora a trajetória do texto teatral, desde sua escrita, em 1966, até sua redescoberta e empreitada nos palcos de São Paulo e Rio de Janeiro. Ao costurar depoimentos de Aderbal e de Marco Nanini, que vivenciou o protagonista Lúcio Paulo no espetáculo, com excertos da peça, a editora e jornalista revela as particularidades que conferem caráter único a esta obra em meio à trajetória de Oduvaldo Vianna Filho